Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2009

O Conto Tradicional

Reconto poesia do conto tradicional "Rapunzel" Rapunzel A história de Rapunzel Aqui vos vou contar Prestai bem atenção É uma história de pasmar! Feliz vivia um casal, Uma filhinha ia ter, Sua mãe contava os dias Que faltavam p’ra nascer. Mas, como todas as grávidas, Apetites ela tinha, Cobiçava as abóboras Do quintal duma vizinha! Quando o marido tentou Uma abóbora ir colher, Logo lhe apareceu a dona, Uma bruxa de morrer! Em troca daquela abóbora, Ela queria a criança E, caso não lha dessem, Faria terrível vingança! O pobre homem, coitado, Acabou por concordar E, quando a menina nasceu, A bruxa a foi buscar. Rapunzel era seu nome Numa torre ela vivia E suas mágoas cantava Quer de noite, quer de dia. Era linda como o sol, Tinha tranças de encantar, Tão lindas e tão longas Ao chão conseguiam chegar. As tranças eram bem fortes, Por elas a bruxa trepava, Sempre que à torre subia E Rapunzel visitava.

Atribuição dos Prémios Bibliopaper 2008/2009

Imagem
Premiados no Bibliopaper 2008/2009 1º ciclo: 4º G- Grupo: Ana Cláudia, Catarina Simão, Lídia Almeida e Sónia Rato 2º ciclo: 6ºB - Alexis Capela, Ana Pernicha, Ana Cabecinha, Cristiana Calhau 3º ciclo: 8º B - David Fernandes, Margarida Carriço Os prémios serão entregues na sessão do projecto "Ler a Dois" que se realiza no próximo dia 18 de Novembro de 2009, pelas 21h, na Biblioteca da nossa escola. Parabéns aos vencedores!

Recontos II - Os contos tradicionais narrados pelos alunos do 6ºB

Imagem
O Patinho Feio www.201.67.44.181/portal/olimpiada_2007/desenhos/ Numa quinta, havia uma pata que teve quatro patinhos muitos lindos, excepto o último que era feio, gordo e desengonçado. Um dia, foram nadar para o charco mas o patinho feio tinha de sair sempre porque ele não sabia nadar e ia sempre ao fundo. Os patos que ali estavam só gozavam com ele e isso envergonhava os irmãos. Então a mãe mandou-o embora. O patinho feio andava por ali sozinho, e onde ele passava os patos gozavam com ele. Num dia de Inverno com muita neve o patinho feio escondeu-se atrás de um tronco de árvore. Uma velha que por ali passava disse: - Que patinho tão feio, tenho pena dele vou levá-lo para casa. Passado algum tempo a velha fartou-se do patinho e mandou-o embora. O pato, passando por um charco, viu um bando de cisnes. Quando ia por as asas na cabeça para não gozarem com ele viu o seu reflexo na água e reparou que era igual aos outros cisnes. Depois ele viu os outros a abalar e fo

Recontos - o conto tradicional narrado pelos alunos do 6ºA

Imagem
A Princesa e a Ervilha www.vanessadeazevedo.com/gallery_ag_1_childre ... Era uma vez um príncipe que andava pelo mundo inteiro à procura de uma princesa verdadeira. Mas nenhuma lhe parecia uma princesa de verdade, todas tinham sempre defeitos. Certo dia, desabou uma grande tempestade. Entretanto bateram à porta do palácio. Era uma moça toda encharcada que afirmava ser princesa. Ela entrou e a rainha pensou numa forma de saberem se ela era mesmo uma princesa de verdade. Pensou… pensou… até que mandou preparar uma cama para ela passar a noite. -Põe vinte colchões empilhados com vinte cobertas por cima de cada colchão e, no fim disto tudo, uma ervilha. – ordenou a rainha a um dos criados. A moça, mesmo com a ajuda de uma escada, subiu com muita dificuldade até ao último colchão. -Que grande cama! – exclamou ela quando chegou lá a cima. Na manhã seguinte a rainha mal a viu acordar perguntou: - Como passaste a noite? A princesa respondeu um pouco mal-humorada: -Não