A Minha Escola de Ontem, e a Minha Escola de Hoje…

O mundo científico e cultural está em constante mudança e esta supõe, simultaneamente maior complexidade. É por isso que, utilizando as ideias estereotipadas homem/escola e mulher/escola, verificamos que o ensino na das décadas de 60 e 70 era menos complexo do que o ensino que hoje existe, e eu falo por mim, pelo meu percurso escolar que nada tem a ver com aquele que hoje é feito. Eu ainda sou do tempo (1970-1975) onde quem mandava era a velha senhora (entenda-se ditadura); todas as manhãs, quando o professor entrava na sala, nós éramos obrigados a levantar-nos, dizíamos “Bom dia Sr. Professor” e só nos sentávamos quando ele mandasse.
(…)
Nesta altura, havia a escola dos rapazes e a escola das raparigas, as meninas brincavam mais a saltar à corda, a jogar à macaca ou às escondidas e com bonecas. Os meninos jogavam à bola, às escondidas, ao agarra, ao pião e saltavam ao eixo.
Os rapazes não se podiam misturar com as raparigas, e havia até um muro a separar a escola dos rapazes e das raparigas.
(…)
A chegada do 25 de Abril de 1974 iria mudar o rumo da História de Portugal. Nessa altura, tinha eu dez anos e frequentava a terceira classe. Nesse dia, nem houve escola, e a partir daí tudo foi diferente, a escola foi mudando radicalmente.
Desapareceram da parede todas as insígnias que diziam respeito ao extinto regime, acabou-se a escola dos rapazes e a escola das raparigas, começaram a formar-se turmas mistas, ainda me lembro bem, que a minha primeira colega de carteira se chamava Virgínia.
(…)
Sexualidade/namoros na minha escola de ontem

Os rapazes da minha época só se juntavam com as raparigas, nalgumas brincadeiras ou jogos tais como, o Jogo da Apanha, ou o Jogo da Macaca, mas sempre dentro de um enorme respeito mútuo. Os namoros, por vezes, não iam além da troca de olhares, recados e cartas que, por vezes, eram enviadas por uma terceira pessoa.
Andar com o braço por cima do ombro ou aos beijos dentro da escola era impensável, nesta época, havia um enorme respeito pelos Pais e Professores.

Sexualidade/namoros na minha escola de hoje

Na escola de hoje, o convívio entre rapazes e raparigas é prática mais comum, o relacionamento entre eles é mais próximo, mais estreito e mais ousado, é perfeitamente natural ouvi-los falar de sexualidade nos corredores ou até mesmo na sala de aula, coisa que era tabu na escola de ontem.
Todos estes factores contribuem para que os alunos de hoje iniciem mais cedo uma relação mais afectuosa, que não se restringe só ao simples olhar, deixando cair por terra o termo “namoro” que, dizem eles, já não se usa.
“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”.
“Muda-se o ser, muda-se a confiança”.
“Todo o mundo, é composto de mudança”
“Tomando sempre novas qualidades”.
Camões


Texto elaborado por José Joaquim P. Rocha, no âmbito do processo RVCC Secundário

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Recontos - o conto tradicional narrado pelos alunos do 6ºA